quarta-feira, 21 de junho de 2017

Réstia de luar (Enlaces Disticus)





























Há uma réstia de luar me espreitando
pelas frestas da janela, observando
minhas pálpebras pesadas das nuvens do dia,
E o meu escasso sono no coração faz folia
O pensamento voa, minh’ alma navega
E o mundo na sua crueldade tudo me nega.
Já não tenho o aconchego do seu abraço,
A noite é de névoas e só me traz cansaço.
O murmúrio do mar é meu único acalento,
Entoa a canção que adentra meus aposentos

Sinto agora a brisa leve se achegando,
Um vento de amor me acariciando.

5 comentários:

  1. Essa réstia de luar nos espreitando é encantador e o vento de amor acariciando, quanta profundeza de inspiração tem seu coração poético! Abraços carinhosos!

    ResponderExcluir
  2. Oh amiga, acho que estou roubando seu talento, suas palavras me incentivam. Grata pelo carinho da sua visita , sempre!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Que linda essa réstia do luar espiando pelas frestas!
    Esse é o tipo de poema que gosto de escrever.rs
    Adorei Diná.
    Bja,obrigada pelas visitas e palavras.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  4. Que linda inspiração! Envolvente e gostosa de ler. Réstias que ilumina a alma, na esperança do amor. Show! Parabéns! Obrigada!

    ResponderExcluir