quarta-feira, 19 de julho de 2017

Os Mendazes





Congresso Nacional, reduto dos mendazes
Casa dos homens descarados e ineficazes
Cambada de malfeitores, desonestos, sem brios
De caras lavadas, promessas e corações frios
Enganaram seus eleitores que acreditaram
Em seus discursos, e a palavra não cumpriram
Corruptos inescrupulosos, aproveitadores
Pena que não fique numa cela comum, senhores
Senhores uma ova, bandidos, e com privilégios
Mesmo tendo cometido o pior dos sortilégios.

Não têm caras de raposa, mas são bem audazes
Caras de pau, não! Madeira podre seus ladravazes!
Enlaces disticus é criação da poetisa Aila Brito!
dinapoetisadapaz

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Teoria Literária do Enlaces Disticus

O que é o 'enlaces disticus'? Como fazer?

Caros colegas,

      Foi pensando em um novo jeito de me expressar, sem seguir a tantas regras, que cheguei a esse novo experimental.
      Bastante prático, o "enlaces disticus", compõe-se de cinco (05) disticus, condensados (compactados), resultando em uma décima, 
      e de um (01) dístico separado, ou de um (01) monóstico; arrematando o poema, e rimando com o 1º dístico do poema. (PADRÃO)
      Não há métrica (por exigência; salvo gosto do poeta), ou seja, contagem dos sons dos versos. Apenas apresenta rimas iguais, no
      final de cada dístico (variando a rima, por dístico - 'preferencialmente' - exceção, nas ênclises, quando houver). 
      A rima do dístico separado, ou, do monóstico, deverá ser igual ao do primeiro dístico do poema, e sem repetição das palavras. 
      (preferencialmente). PADRÃO
      Numa variação (livre), o dístico ou monóstico, poderá apresentar outra rima. 
      Os disticus devem está em consonância, no contexto; sem estanques, ou seja, sem sentido isolado; formando o poema.
      A pontuação no poema, varia; de modo a se fazer um melhor entendimento da mensagem.


                                                      *****************************************************


           ESTRUTURA:

           O ENLACES DISTICUS, DEVE FICAR ASSIM:


                                    XXX XXX XXX - (A)
                                    XXX XXX XXX - (A)
                                    XXX XXX XXX - (B)
                                    XXX XXX XXX - (B)
                                    XXX XXX XXX - (C)
                                    XXX XXX XXX - (C)
                                    XXX XXX XXX - (D)
                                    XXX XXX XXX - (D)
                                    XXX XXX XXX - (E)
                                    XXX XXX XXX - (E)

                                    XXX XXX XXX - (A)
                                    XXX XXX XXX - (A)

                                              OU

                                     XXX XXX XXX - (A)


          Numa variação, o dístico ou o monóstico poderá ser:
          
                                     XXX XXX XXX - (F)
                                     XXX XXX XXX - (F)

                                               OU

                                      XXX XXX XXX - (F)
           
            (Permanecendo o 'corpo' - décima, sem alteração.)


                                      -  MODELOS -


                                      

                   EU E TU                          

                         Só em ti sou doce canto
                    És meu porto, meu acalanto;
                    Sem ti, sou náufraga de mim,
                    Céu inóspito, sem querubim...
                    Sem estrelas, sem lua; noite nua!
                    Só por ti, vivo, serei sempre tua;
                    Em mim, és eterna e doce morada...
                    Em noite festiva, bela, enluarada!
                    Sem mim, sei; és folha ao vento...
                    Rio sem mar; puro sofrimento!

                    Somos assim: EU e TU, portanto;
                    Rainha e rei, num mundo de encanto!
                                    xxxxx
                     

               NÃO... NÃO HÁ! – ‘DOE ESPERANÇA’ 

                    Não há vida sem doação,
                    Não há comunhão sem oração;
                    Não há amor sem serviço,
                    Não há verdade em ‘ser postiço’;
                    Não há paz sem silêncio,
                    Não há força no tom cício
                    Não há luz em visão cega,
                    Não há sabor que a boca nega;
                    Não há crime sem sentença;
                    Não há cristão, SENHOR, sem tua presença!

                    'Doe esperança’; faça valer um coração!
                                    xxxxx
                      

               PERDÃO! - (enlaces disticus) 

                    Por não te fazer sentir, a falta que fazes em mim,
                    Por não te fazer respirar o mesmo ar; enfim...
                    Por calar no meu peito, ávido desejo; fio cristal,
                    Do que fora passivo bem; hoje recorrente mal!
                    ... Por trilhar caminhos, dúbios, serpes , curvos
                    ... Num mar de anseios, crispos sonhos turvos
                    Por não mais te fazer ouvir, das estrelas, o sussurro
                    Por não mais te fazer frouxar esse ar casmurro
                    Por calar minha voz, embargada por prantos roucos
                    Do que fora mansidão; hoje, espasmos loucos

                     Jamais pensei, amar-te tanto assim...!!!
Criadora do Estilo Experimental : Aila Maria Brito

Assim é o amor (Enlaces Disticus)


















O amor nada teme, tudo suporta,
E a forma de amar não importa.
O amor acomoda todas as inquietudes,
E a sensação de amar, é de completude.
Quando a gente ama tudo se renova,•.
Quem verdadeiramente ama nada reprova.•.
Não há amargura que o amor não acabe.
E até as dores das recidivas, lhe cabe.
Não lhe abate as inevitáveis desilusões,
E não reluta às novas e loucas emoções.

O amor quando num coração aporta,

A’ lma triste logo se reconforta...

dinapoetisadapaz

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Sem Alegorias (Enlaces Disticus)


Onde armazenar meus pensamentos?
As deias estão soltas, procuram compartimentos
Para seu devido acolhimento, não encontro saída
As dores e apatia estão a invadir minha vida,
Há um caminho escuro, um cenário sem alegorias.
No dialógo com a saudade, clamo pela poesia,
Nenhum tema vem à mente, imploro por um ” mecenas”
Que me ajude a recuperar a palavra. Quero entrar em cena,
Rodopiar com o vento, dormir nos braços da lua,
Buscar nas galáxias ou nas esquinas da rua

Uma luz para iluminar o negro momento
Quero a palavra viva a expandir meu pensamento.

dinapoetisadapaz

terça-feira, 27 de junho de 2017

Naquele Dia (Enlaces Disticus)


















O dia em que te conheci a cabeça saiu voando,
Mesmo de longe, teus olhos, nos meus foram entrando,
Derramaram sobre mim um mar de paixão...
Senti meu corpo tremer tomado de forte emoção.
O sentimento cresceu com uma elasticidade incrível
Pintou a dúvida, seria um relacionamento cabível?
Percebendo certo interesse naqueles olhares,
Aos poucos chegando mais perto, o coração ia pelos ares.
Esperei muito até concretizar meu sonho,
Certo dia achegou-se ao meu ouvido, e risonho...

-Sussurrou, estou te amando!
 
(enlaces dísticus) é um novo estilo poético de Aila Brito
http://www.recantodasletras.com.br/visualizar.php?t=466773

sábado, 24 de junho de 2017

Relato (Enlaces Disticus)




Nessas linhas que escrevo
Relato coisas que observo.
Nas retinas guardo imagens
Que me trazem mensagens,
Abordagem do pensamento,
Que num precioso momento,
Pede papel, caneta e silêncio.
São ações inerentes ao desígnio
De quem abraça a poesia
Como companheira de valia.

Nascem versos para meu acervo

dinapoetisadapaz


Enlaces Disticus é um Experimental criado pela poetisa Aila Brito!

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Réstia de luar (Enlaces Disticus)





























Há uma réstia de luar me espreitando
pelas frestas da janela, observando
minhas pálpebras pesadas das nuvens do dia,
E o meu escasso sono no coração faz folia
O pensamento voa, minh’ alma navega
E o mundo na sua crueldade tudo me nega.
Já não tenho o aconchego do seu abraço,
A noite é de névoas e só me traz cansaço.
O murmúrio do mar é meu único acalento,
Entoa a canção que adentra meus aposentos

Sinto agora a brisa leve se achegando,
Um vento de amor me acariciando.